Você pode confiar seu rosto ao FaceApp ?

Read Time7 Minutes, 40 Seconds

Você pode confiar seu rosto ao FaceApp ? Todo mundo está falando sobre o FaceApp – o aplicativo que pode editar fotos dos rostos das pessoas para mostrar versões mais novas ou mais antigas delas mesmas.

Milhares de pessoas estão compartilhando os resultados de suas próprias experiências com o aplicativo nas mídias sociais.

Segundo a BBC News , desde que a ferramenta de edição de rostos se tornou viral nos últimos dias, alguns levantaram preocupações sobre seus termos e condições.

No fundo, é preciso termos consciência de que de uma forma geral “não há almoços grátis” e que, por isso, quando algo é gratuito e também divertido, temos de proceder com cuidado.

Os argumentos de preocupação parte de que a empresa adota uma abordagem arrogante aos dados dos usuários – mas a FaceApp disse em um comunicado que a maioria das imagens são excluída de seus servidores dentro de 48 horas após o upload.

A empresa também disse que só enviou fotos que os usuários selecionaram para edição e não imagens adicionais.

O que é o FaceApp?

FaceApp não é novo. Ele chegou às manchetes há dois anos com seus “filtros étnicos”.

Estes pretendiam transformar rostos de uma etnia em outra – uma característica que provocou uma reação negativa e foi rapidamente abandonada.

O aplicativo pode, no entanto, transformar expressões em branco ou mal-humoradas em sorridentes e também ajustar estilos de maquiagem.

Isso é feito com a ajuda da inteligência artificial (IA). Um algoritmo pega a foto de entrada do seu rosto e a ajusta com base em outras imagens.

Isso possibilita inserir um sorriso, por exemplo, ao ajustar as linhas ao redor da boca, queixo e bochechas para uma aparência natural.

FaceApp, em geral permite fazer o upload de uma fotografia do nosso rosto e aplicar-lhe um filtro de envelhecimento para vermos como poderemos ficar daqui a uns anos. Há mais filtros que o FaceApp oferece, incluindo mudar a cor dos olhos ou trocar de sexo, mas é o do envelhecimento que tem feito furor por estes dias nas redes sociais.

Então qual é o problema?

Acontece que agora, depois de casos como o do Cambridge Analytica em 2018 nos terem alertado para o perigo de dar os nossos dados assim sem mais nem menos, a imprensa não se limitou a falar do viral, alertando para os perigos de usar uma aplicação de autores semi-desconhecidos assim de forma leviana. Uma pesquisa rápida na web permite encontrar uma série de artigos nos principais órgãos nacionais que alertam para a recolha de dados pessoais de quem usa o FaceApp para a “foto da moda”.

A pergunta é:  Você pode confiar seu rosto ao FaceApp ?

Segundo a BBC, preocupações foram levantadas recentemente quando o desenvolvedor do aplicativo, Joshua Nozzi, twittou que o FaceApp estava fazendo upload de fotos de smartphones das pessoas sem pedir permissão.

No entanto, segundo a BBC News, um pesquisador francês de segurança cibernética que usa o pseudônimo Elliot Alderson investigou as alegações de Nozzi.

Ele descobriu que nenhum upload em massa estava acontecendo – o FaceApp estava apenas tirando as fotos específicas que os usuários decidiram enviar.

O FaceApp também confirmou para a BBC News que apenas a foto enviada pelo usuário é enviada.

E quanto ao reconhecimento facial?

Outros especularam que o FaceApp pode usar dados coletados de fotos de usuários para treinar algoritmos de reconhecimento facial.

Isso pode ser feito mesmo após as fotos serem excluídas, porque as medidas dos recursos no rosto de uma pessoa podem ser extraídas e usadas para tais finalidades.

Não, não usamos fotos para treinamento de reconhecimento facial“, disse o diretor-executivo da empresa, Yaroslav Goncharov, à BBC News. “Apenas para edição de fotos.”

É isso?

Segundo a BBC, não é bem assim. Alguns usuários perguntam por que o FaceApp precisa fazer upload de fotos quando o aplicativo poderia, em teoria, apenas processar imagens localmente em smartphones, em vez de enviá-las para a nuvem.

No caso do FaceApp, o servidor que armazena fotos do usuário está localizado nos EUA. A FaceApp em si é uma empresa russa com escritórios em São Petersburgo.

A pesquisadora de segurança cibernética Jane Manchun Wong twittou que isso pode simplesmente dar à FaceApp uma vantagem competitiva – é mais difícil para outras pessoas desenvolverem aplicativos semelhantes para ver como os algoritmos funcionam. 

Steven Murdoch, da University College London, concordou. “Seria melhor para a privacidade processar as fotos no próprio smartphone, mas provavelmente seria mais lento, usaria mais energia da bateria e tornaria mais fácil para a tecnologia FaceApp ser roubada“, disse ele à BBC News.

A advogada norte-americana Elizabeth Potts Weinstein argumentou que os termos e condições do aplicativo sugeriam que fotos de usuários pudessem ser usadas para fins comerciais, como os próprios anúncios da FaceApp.

Mas Lance Ulanoff, editor-chefe do site de tecnologia Lifewire, destacou que os termos do Twitter, por exemplo, continham uma cláusula semelhante:

Fonte: Elizabeth Potts Weinstein – Twitter

Os usuários estão cientes de tudo isso?

Para alguns, este é o cerne da questão. O defensor de privacidade Pat Walshe apontou para linhas na política de privacidade da FaceApp que sugeriram que alguns dados de usuários podem ser rastreados para fins de segmentação de anúncios.

O aplicativo também incorpora o Google Admob, que exibe anúncios do Google para os usuários.

Walshe disse à BBC que isso foi feito “de uma maneira que não é óbvia” e acrescentou: “Isso não dá às pessoas uma genuína escolha e controle.

Goncharov, diretor-executivo da empresa,  disse que os termos da política de privacidade da FaceApp são genéricos. Ele disse que a empresa não compartilha dados para fins de segmentação de anúncios.

O aplicativo ganhou dinheiro através de assinaturas pagas para recursos premium, acrescentou ele. 

Mas o Dr, Murdoch considera que “Os termos do FaceApp permitem que a empresa faça efetivamente o que eles gostam com fotos de seus usuários, o que é preocupante, mas é bastante típico“. “As empresas sabem que quase ninguém lê políticas de privacidade e, portanto, pedem o maior número possível de direitos, caso isso se torne útil, mesmo que seus planos atuais não precisem deles“, complementou.

O que mais o FaceApp tem a dizer?

O BBC acrescentou que o Sr. Goncharov compartilhou uma declaração da empresa que disse que o FaceApp só envia fotos selecionadas pelos usuários para edição. “Nós nunca transferimos quaisquer outras imagens“, acrescentou o comunicado.

Podemos armazenar uma foto enviada na nuvem. A principal razão para isso é o desempenho e o tráfego: queremos garantir que o usuário não envie a foto repetidamente para cada operação de edição… A maioria das imagens são excluídas dos nossos servidores dentro de 48 horas a partir da data de envio.

O comunicado afirma que, embora o FaceApp aceite solicitações de exclusão de dados, a equipe de suporte da empresa está “sobrecarregada” no momento.

FaceApp aconselha os usuários a enviar tais solicitações através de configurações, suporte, “relatar um bug” e adicionar “privacidade” na linha de assunto.

Segundo a BBC o FaceApp acrescentou no comunicado que os dados do usuário não foram transferidos para a Rússia. 

O Gabinete  Information Commissioner’s Office do Reino Unido (ICO, na sigla em inglês) disse à BBC que estava ciente das histórias que levantavam preocupações sobre a FaceApp e que as consideraria.

Recomendamos que as pessoas se inscrevam em qualquer aplicativo para verificar o que acontecerá com suas informações pessoais e não fornecerão detalhes pessoais até que estejam claras sobre como serão usadas“, disse uma porta-voz da OIC.

A equipe Own It da BBC produziu um guia de vídeo para os termos e condições do aplicativo e um explicador sobre como gerenciar sua pegada digital .

O FaceApp não é caso único

Mas, e aí: A pergunta é:  Você pode confiar seu rosto ao FaceApp ?

Responder esta pergunta não é fácil mas podemos que considerar que o Facebook, Instagram, Twitter, Google (e todos os seus serviços…), LinkedIn, Snapchat, WhatsApp… praticamente todos os serviços online que usamos recolhem dados pessoais dos seus utilizadores, para fins comerciais, para objetivos estatísticos, ou para ambos. No Instagram e Snapchat, por exemplo, existem máscaras faciais semelhantes às do FaceApp. O Facebook tem tecnologia de reconhecimento facial no seu site, para, por exemplo, notificar um utilizador quando alguém carrega uma foto sua ou detectar uma conta fraudulenta a querer fazer-se passar por alguém. Além disso, como lembrava um especialista num artigo de 2017, a partir do momento em que temos as nossas fotografias online, incorremos em riscos de privacidade semelhantes aos de poderemos correr usando o FaceApp – até porque outras pessoas podem utilizar as nossas fotos em aplicações que desconhecemos.

FONTE: https://minutodaseguranca.blog.br/voce-pode-confiar-seu-rosto-ao-faceapp/

0 0

Deixe uma resposta

Close